Netanyahu in Congress: J'lem will not be divided

segunda-feira, 9 de março de 2009

Do SILÊNCIO ou, diálogo com uma pessoa que se movimenta em direção ao Judaísmo

Do SILÊNCIO ou, diálogo com uma pessoa que se movimenta em direção ao Judaísmo
por Rav Pietro Nardella-Dellova
da Sinagoga Scuola, Beit Midrash

B”H - ב״ה

א
E, então, uma pessoa me procurou, pois vinha em direção ao mundo judaico e, por isso mesmo, encheu-se de satisfação e falou-me da sua vontade de conhecer o Judaísmo para encontrar D’us, quiçá, vislumbrar um caminho e vencer o mal (ou Mal, como está mais acostumado)... Mas, porventura, -eu perguntei a ele- já te ocorreu que HaShem (ou D’us, se quiser) não quer (e nem pode) ser encontrado?
ב
Por acaso, já pensou na possibilidade do Judaísmo não ser um caminho nem te dar certeza alguma sobre um mundo que não será alcançado? Pensou, ainda, que, na formação judaica, não há preocupação nenhuma com o mal ou o bem (ou Mal e Bem, se quiser) e nem há teologia alguma a ser apreendida? Pensou nisso?Pois bem, no Judaísmo não estudamos, não procuramos e nem vendemos HaShem. O Judaísmo não tem como escopo o encontro com Ele. Não podemos dizer nada sobre o Mal ou o Bem, vez que são fantasias persas, gregas e medievais. Mas, apenas, nos ocupamos dos comportamentos bons ou maus, das escolhas boas ou más.
ג
No Judaísmo, não nos projetamos em um mundo futuro e, sendo futuro (se o for), virá natural, independente e dentro do que HaShem possa pretender... Não há mágicas, não há fórmulas nem rezas que possam modificar os tempos, os ciclos e Vontade do Eterno! E, assim, sem futuro nem surpresas, aprendemos a olhar nossas mãos, nossos pés, nossos olhos, nossos ouvidos, nosso corpo, nossos sentimentos, nossos conhecimentos e tudo aquilo que se nos chega para realização.
ד
Ensinamos aos nossos filhos que um precipício é mesmo um precipício (e não um conceito). Ensinamos que um jardim é mesmo um jardim (e não uma fantasia). E deixamos claro que, sobre nossa mesa, um pão deve ser justo, feito por mãos justas e adquirido com recursos justos, pois, ao pronunciarmos alguma palavra (entre nós) não o fazemos para agradecer (pois filhos não agradecem a seus pais), mas, ao menos as pronunciamos para abençoar o Nome de HaShem, a fim de termos certeza de que aquele pão não tem outra origem senão a de justiça, bondade e leveza...
ה
Ensinamos, também, que um inimigo é mesmo um inimigo (um inimigo sempre!) E o melhor para nós, é que o inimigo esteja bem, tranqüilo, ocupado (muito ocupado) e que more longe de nossas casas, longe mesmo! Mas, o inimigo não é “alguma coisa” caída do “céu”, um ser sobrenatural, um revoltado em “bereshit” ou um ente espiritual com desejos sexuais.
ו
O inimigo tem mãos e pés, tem fome e sede, tem visão e olfato, assim como nós. Mas, ele, o inimigo, não tem mesa nem pão justo, não tem limites nem conhece princípios. Diferente de nós, quando ele tem fome, come sem medida nem critério. Por isso lança as mãos e avança seus pés, não se importando com este ou com isso. E quando vê ou percebe alguma coisa, o inimigo quer para si, em um incontrolável desejo mimético, arrebatador, destruidor e fatal.
ז
Por isso, sempre desejamos que nossos inimigos tenham tudo, ocupem-se bastante e fiquem muito cansados, a fim de que se esqueçam de nós, dos nossos portões, dos nossos bens, dos nossos filhos e de nossas vidas. Mas, nós, que não sabemos nada dos seus portões, dos seus bens e dos seus filhos, todavia, não nos esquecemos deles, nunca nos esquecemos que são inimigos...).
ח
No Judaísmo não discutimos conceitos teológicos, não defendemos dogmas religiosos, não buscamos fiéis ou infiéis, não levamos ninguém para a Sinagoga, não formamos missionários. Não desprezamos nem aprovamos a religião de outrem, pois o Judaísmo é o nosso melhor silêncio, um singular e respeitoso silêncio. E assim, nunca estamos nas praças ou esquinas (nem nos palcos). O palco não é, de fato, para judeus...
ט
Ao contrário, estamos envolvidos com o nosso suor, com os nossos livros, com as nossas Sefirôt. Mas, não estudamos o Eterno e sequer pronunciamos o seu Nome! Não pedimos nada a Ele, mas com um profundo e respeitoso sentimento de gratidão e reverência, abençoamos seu Nome, todas as manhãs e todas as tardes e, ao anoitecer, olhamos para nossos filhos, cobrindo-os ternamente e lançando-os na Presença de HaShem...
י
Amamos festas, contamos no dedo os dias que faltam para a próxima festa e o que devemos fazer para que elas sejam alegres, maravilhosas e humanas. Nossas Festas não projetam nada de mágico para o futuro nem devem ser lidas como profecias. Nossas Festas são apenas Festas de memória, com as quais, contamos a nossa história (para os nossos filhos).
כ
Sim, meu caro, com elas contamos a nossa própria história, por isso mesmo, há milênios, fazemos o mesmo pão da amargura e cativeiro, e não comemos, naquele período, fermentos para não nos esquecermos de que sair da escravidão é um ato apressado, um ato que não permite conforto nem reflexão. Não temos nenhuma vergonha de dizer, em nossas Festas, que fomos escravos! Comemoramos nossas colheitas, o nosso momento de constituição integral no Sinai, e comemoramos nossos novos períodos de trabalho, muito trabalho, lembrando-nos das más ações, dos maus comportamentos em um ciclo completo, das privações, das cabanas (nas quais moramos).
ל
Ademais, lembramos dos momentos em que nossos inimigos destruíram nossos palácios, nossos altares e, de como, fortalecidos em nossos princípios, nos livramos deles, lutando, lutando muito, com espadas, garfos e pedras (reais). Lembramos do nosso estado em terra estranha e dos governos, persas ou nazistas, que tentaram nos apagar da história e de como pessoas do nosso povo, de carne e ossos (homens e mulheres) mantiveram seus propósitos claros, seu amor inabalável e, com sabedoria, utilizaram tudo o que haviam aprendido em casa, com seus pais e irmãos, para decidirem por alguma coisa, para fazerem alguma coisa e definirem que não temos que desaparecer da terra.
מ
Nossas dias não são ocupados, integral e tresloucadamente, com lufa-lufa continuado. Não! Nós paramos, sim, há um dia, deliciosamente especial, em que paramos para comer um pão trançado, feito por uma mulher amável e satisfeita com HaShem. Paramos para beber o vinho, para comer frutas, doces e mel, para cantar com nossos filhos e filhas e, de mãos dadas, dançarmos, cutucando cada um deles, fazendo-lhes cócegas, dando gargalhadas e cheirando seus cabelos. Também, paramos, neste dia, para nos encontrar com outras pessoas a quem amamos, os nossos amigos que, como nós, que comeram do seu pão trançado, feito por suas mulheres amáveis e satisfeitas com HaShem, e que beberam do seu vinho e comeram frutas, doces e mel, que cantaram com seus filhos e filhas e, de mãos dadas, dançaram com eles, e os cutucaram, e lhes fizeram cócegas e deram gargalhadas, e cheiraram seus cabelos...
נ
Por isso mesmo, quando mais pessoas amigas estão juntas, todas sabem o que é pão trançado, vinho, doces, mel, filhos, filhas, mulheres amáveis e satisfeitas com HaShem, risos, gargalhadas e os motivos, todos os motivos, de não querermos trabalhar neste dia...
ס
Entretanto, quando um dos nossos amigos trabalha neste dia, e não podemos vê-lo em nossos encontros, isso não nos aborrece nem encanta. De fato, não mandamos nenhum espia em sua casa, nenhum missionário e, muito menos, um profeta! Não investigamos nosso irmão nem nossa irmã, pois, no Judaísmo, cada qual é responsável por si mesmo e, assim como as letras do alfabeto hebraico, cada qual vale por si mesmo, tem seu peso e sua medida (que ninguém procura conhecer, pois é a medida indecifrável de cada um).
ע
A responsabilidade, em nós, alcança níveis de grandeza e profundidade, de peso e substância, mas ela é individual, singular e intransferível. Desde a tenra idade somos esclarecidos no comportamento, somos ensinados no exemplo de nossos pais e de nossas mães (sim, no Judaísmo conhecemos bem as palavras pai e mãe!). Aprendemos a fazer, a concretizar, a transformar um tijolo em castelo, uma página em biblioteca e, assim, somos exercitados continuamente ao aprofundamento, ao estudo e à busca pelo saber. Freqüentamos mais lojas de livros usados que restaurantes...
פ
Desenvolvemos, assim, naturalmente, o respeito por aqueles que, eventualmente, sejam nossos mestres, nossos professores. Porém, eles não são nossos guias espirituais, não são nossos pastores nem nos conduzem a lugar algum. São mestres que nos ensinam a Torá e o Talmud, e que nos incentivam a ensinar a Torá e o Talmud, transformando-nos em mestres e professores, que ensinam a Torá e o Talmud... Eles, os mestres, não são nossos donos e donos de nossas casas, porque o que têm em mãos e nos legam, é de tal modo precioso, grandioso e essencial que, por conta disso, exatamente disso, aprendemos que nossa casa é nosso jardim, nosso recanto e uma projeção de nós mesmos.
צAprendemos que nossas casas refletem o nosso amor por Jerusalém.
ק
Ah, Jerusalém... Jerusalém é o nosso centro. E dali, aprendemos a olhar o mundo, o universo, o kosmos... Ali, especialmente ali, nos reencontramos como um povo, como seres humanos que venceram a morte, as câmaras de gás e toda sorte de maldades, que suplantaram as dores e renasceram! A cidade de Melech David e de Melech Sh’lomo, a Poesia e a Sabedoria de mãos dadas!
ר
Não, não meu caro, Judaísmo não é solidão. Somos calorosamente sociáveis. Judaísmo é silêncio realizador, fogo que queima sem discurso, energia que faz e refaz a nossa alma.
שSe quiser andar conosco, poderá vir. Sim, você poderá vir (por que não?). Mas, não pretenda sair pelo mundo, tentando consertá-lo com o Judaísmo, nem voltar-se contra seus antigos pares, incriminando-os, derrotando-os e causando-lhes dissabores. Não faça isso!Se quiser, venha. Mas, se vier e viver como judeu, você não se fará melhor que seus antigos companheiros, nem poderá lhes dizer coisa alguma.
ת
Apenas apontará para si mesmo (apenas para si mesmo!) um comportamento único, próprio, sobretudo, se perceber que nosso D’us será seu D’us e que nosso Povo será seu Povo e, assim, não poderá fazer (nem permitir que se faça) aos outros o que lhe parecer odioso, injusto e indecente a si mesmo.
....
Fondi (Hotel dei Fiori), Itália, em 8 de Tamuz, 5768 (11 de luglio, 2008)
....
© copyright do autor, não reproduzir sem expressa autorização!
....
© Pietro Nardella-Dellova. Mestre em Direito pela USP – Universidade de São Paulo. Mestre em Ciências da Religião pela PUC/SP – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Rav na Sinagoga Scuola/Beit Midrash. Membro da UBE – União Brasileira dos Escritores. Autor dos livros AMO, NO PEITO, ADSUM e de Centenas de Artigos na Coluna Café & Direito ®. Autor das Teses “A Crise Sacrificial do Direito” (USP) e “A Palavra Como Construção do Sagrado” (PUC-SP). Professor universitário de Direito.
....
Mais informações, profilo, textos (abaixo e arquivo), links etc.:
Café & Direito ® do Prof. Nardella-Dellova
Contato:




Nardella-Dellova (orkut)

5 comentários:

Ricardo Nespoli disse...

Eu chamaria esse texto de sol nascente.

Liu Cristina disse...

Parabéns! você deve ser uma pessoa abençoada, uma pessoa linda.Obrigado por todo este ensinamento.

Fernanda Dutra disse...

Salve, professor Dellova.Minha filha, Julia, precisa fazer um trabalho, para a disciplina Ensino Religioso, com tema Judaísmo. São três perguntas:
1-A origem do Judaísmo
2-Os profetas
3-A doutrina judaica
Agradeço sua atenção.
Abraços

SINAGOGA SCUOLA - a cura di Rav Nardella-Dellova disse...

Prezada Fernanda Dutra: Shalom!

Respostas breves:

1) O judaísmo nasce com Abraham avinu (Abraham, nosso pai) há, mais ou menos, 4.000 anos. Desde que ele, Abraham, deixou seus parentes e familiares idólatras e dedicou-se a um Ùnico D'us, nasceu o Judaísmo!

2)Os Profetas surgiram após os Patriarcas (Abraham, Itzchak e Ya'akov). O primeiro e maior Profeta foi Moshè rabenu (Moshè, nosso Mestre), por intermédio de quem recebemos a Torá Monte Sinai, há mais ou menos 3.500 anos atrás! Depois dele, outros Profetas surgiram, normalmente, exortando o Povo judeu a não se esquecer da Torá nem de sua prática de Justiça!
Alguns dos grandes Profetas foram Yeshayahu (Isaias), Yirmiahu (Jeremias), Eliahu (Elias) e Outros. Eliahu é chamado de Eliahu HaNevi (Eliahu, o Profeta) e é considerado o príncipe dos Profetas!

3)Resumidamente, o Judaísmo é monoteísta (um ùnico D'us), baseia-se na Torá e em 613 Palavras-Princípio (chamadas Mitzvôt). Há uma relação umbilical entre os Judeus de todo o mundo e a terra de Yisrael. Entre os princípios fundamentais está o SHEMÁ e o SHABAT!

Esperamos ter ajudado!

Shalom
Sinagoga Scuola

Fernanda Dutra disse...

Obrigada,Shalom!
Fernanda e Julia